Prêmio IPL – Retratos da Leitura

Destacado

A revista Quatro Cinco Um, a Biblioteca Comunitária Caminhos da Leitura e a Flipoços estão entre os 12 vencedores do 3º Prêmio IPL -Retratos da Leitura, promovido pelo Instituto Pró-Livro. A honraria é dividida em quatro categorias: Bibliotecas, Cadeias Produtivas, Mídia e Organizações Sociais Civis. E tem muita coisa legal sendo feita!

Os interessados se inscreveram na Plataforma Pró-Livro. A primeira etapa selecionou dez finalistas e, na última segunda-feira (10/12), foram conhecidos os três vencedores de cada segmento.

Em Bibliotecas, venceram a Biblioteca Comunitária Caminhos da Leitura, organizada por jovens na periferia de São Paulo e que promove saraus, debates, clubes do livro; Parnamirim, um Rio que Flui para o Mar de Leitura, do Rio Grande do Norte, que também estimula a leitura por meio de atividades culturais diversas; e a Rede Baixada Literária, que promove a leitura com ações organizadas por bibliotecas da Baixada Fluminense. Na categoria Cadeia Produtiva, levaram a Caravana Teatral do Livro em Cena, do Paraná; o Festival Literário de Poços de Caldas, em Minas Gerais; e o Programa Myra – Juntos pela Leitura, de São Paulo. Em Mídia, os ganhadores foram a revista Quatro Cinco Um; o Jornal Joca; e o projeto Vá Ler um Livro. E as Organizações Sociais Civis de destaque foram o Clube de Leitura Quilombo Mirim, de São Paulo; o projeto Leituras na Praça, do Ceará; e o projeto Piracaia na Leitura, de São Paulo.

A Biblioteca Villa-Lobos e o Projeto Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas para Todos, ambos de São Paulo, receberam uma menção honrosa.

Anúncios

Carta de amor aos livros

Destacado

Ainda repercute o apelo feito pelo editor da Companhia das Letras, Luis Schwarcz, para que as pessoas divulguem livros, falem sobre livros e deem livros de presente. Enquanto muita gente embarcou na campanha, com hashtag e tudo (#dêlivrosdepresente e variações), também teve gente que aproveitou o gancho para criticar a postura das grandes editoras.

IMG_5712Na entrevista que deu à Folha de S.Paulo, o presidente do grupo editorial disse terem sido poucas as mensagens contrárias à carta, mas admite ter recebido críticas – por não prestigiar livrarias pequenas, por ter sido generoso demais no texto com as redes de livrarias e pela ganância das grandes editoras.

De qualquer forma, o texto levanta questões importantes, como os desafios que editoras e livrarias têm pela frente para se manterem vivas. Nós, como leitores, podemos contribuir com ideias, com reflexões e, claro, com leituras. Sigamos!

Aliás, o que você está lendo?

=====

Para quem perdeu, reproduzo abaixo, na íntegra, a carta do editor:

Cartas de amor aos livros

O livro no Brasil vive seus dias mais difíceis. Nas últimas semanas, as duas principais cadeias de lojas do país entraram em recuperação judicial, deixando um passivo enorme de pagamentos em suspenso. Mesmo com medidas sérias de gestão, elas podem ter dificuldades consideráveis de solução a médio prazo. O efeito cascata dessa crise é ainda incalculável, mas já assustador. O que acontece por aqui vai na maré contrária do mundo. Ninguém mais precisa salvar os livros de seu apocalipse, como se pensava em passado recente. O livro é a única mídia que resistiu globalmente a um processo de disrupção grave. Mas no Brasil de hoje a história é outra. Muitas cidades brasileiras ficarão sem livrarias e as editoras terão dificuldades de escoar seus livros e de fazer frente a um significativo prejuízo acumulado.

As editoras já vêm diminuindo o número de livros lançados, deixando autores de venda mais lenta fora de seus planos imediatos, demitindo funcionários em todas as áreas. Com a recuperação judicial da Cultura e da Saraiva, dezenas de lojas foram fechadas, centenas de livreiros foram despedidos, e as editoras ficaram sem 40% ou mais dos seus recebimentos— gerando um rombo que oferece riscos graves para o mercado editorial no Brasil.

Na Companhia das Letras sentimos tudo isto na pele, já que as maiores editoras são, naturalmente, as grandes credoras das livrarias, e, nesse sentido, foram muito prejudicadas financeiramente. Mas temos como superar a crise: os sócios dessas editoras têm capacidade financeira pessoal de investir em suas empresas, e muitos de nós não só queremos salvar nossos empreendimentos como somos também idealistas e, mais que tudo, guardamos profundo senso de proteção para com nossos autores e leitores.

Passei por um dos piores momentos da minha vida pessoal e profissional quando, pela primeira vez em 32 anos, tive que demitir seis funcionários que faziam parte da Companhia há tempos e contribuíam com sua energia para o que construímos no nosso dia a dia. A editora que sempre foi capaz de entender as pessoas em sua diversidade, olhar para o melhor em cada um e apostar mais no sentimento de harmonia comum que na mensuração da produtividade individual, teve que medir de maneira diversa seus custos, ou simplesmente cortar despesas. Numa reunião para prestar esclarecimentos sobre aquele triste e inédito acontecimento, uma funcionária me perguntou se as demissões se limitariam àquelas seis. Com sinceridade e a voz embargada, disse que não tinha como garantir.

Sem querer julgar publicamente erros de terceiros, mas disposto a uma honesta autocrítica da categoria em geral, escrevo mais esta carta aberta para pedir que todos nós, editores, livreiros e autores, procuremos soluções criativas e idealistas neste momento. As redes de solidariedade que se formaram, de lado a lado, durante a campanha eleitoral talvez sejam um bom exemplo do que se pode fazer pelo livro hoje. Cartas, zaps, e-mails, posts nas mídias sociais e vídeos, feitos de coração aberto, nos quais a sinceridade prevaleça, buscando apoiar os parceiros do livro, com especial atenção a seus protagonistas mais frágeis, são mais que bem-vindos: são necessários. O que precisamos agora, entre outras coisas, é de cartas de amor aos livros.

Aos que, como eu, têm no afeto aos livros sua razão de viver, peço que espalhem mensagens; que espalhem o desejo de comprar livros neste final de ano, livros dos seus autores preferidos, de novos escritores que queiram descobrir, livros comprados em livrarias que sobrevivem heroicamente à crise, cumprindo com seus compromissos, e também nas livrarias que estão em dificuldades, mas que precisam de nossa ajuda para se reerguer. Divulguem livros com especialíssima atenção ao editor pequeno que precisa da venda imediata para continuar existindo, pensem no editor humanista que defende a diversidade, não só entre raças, gêneros, credos e ideais, mas também a diversidade entre os livros de ambição comercial discreta e os de ambição de venda mais ampla. Todos os tipos de livro precisam sobreviver. Pensem em como será nossa vida sem os livros minoritários, não só no número de exemplares, mas nas causas que defendem, tão importantes quanto os de larga divulgação. Pensem nos editores que, com poucos recursos, continuam neste ramo que exige tanto de nós e que podem não estar conosco em breve. Cada editora e livraria que fechar suas portas fechará múltiplas outras em nossa vida intelectual e afetiva.

Presentear com livros hoje representa não só a valorização de um instrumento fundamental da sociedade para lutar por um mundo mais justo como a sobrevivência de um pequeno editor ou o emprego de um bom funcionário em uma editora de porte maior; representa uma grande ajuda à continuidade de muitas livrarias e um pequeno ato de amor a quem tanto nos deu, desde cedo: o livro.

Feira do Livro da USP

Destacado

Começa hoje a edição de número 20 da Festa do Livro da USP. Até o dia 01 de Dezembro, sábado, as editoras vendem obras a pelo menos metade do preço. Entre nove da manhã e nove da noite, nos dias de semana, e até sete da noite no sábado.

Dica: se você for com alguns objetivos definidos, livros que você queira comprar, ajuda. A feira recebe muita gente, os estandes das editoras ficam lotados! Dependendo do horário, é bem difícil ficar escolhendo, vendo opções. De qualquer forma, são descontos que fazem valer encarar uma baguncinha ;)

Problemas financeiros nas grandes livrarias brasileiras

Destacado

A rede de livrarias Saraiva, que atua no Brasil desde 1914 e é hoje a maior do país, pede recuperação judicial por causa da uma dívida de quase R$ 675 milhões. Não foi uma surpresa. Vinte lojas já tinham sido fechadas, enquanto o grupo tentava renegociar, sem sucesso, as pendências com os credores. O próprio Sindicato Nacional de Editores de Livros (SNEL) já tinha anunciado que só voltaria a negociar com a Saraiva quando ela entrasse com o pedido de recuperação. Livraria Cultura - Conjunto Nacional

A notícia vem na sequência de outro baque para o setor, o pedido, também de recuperação judicial, da Livraria Cultura – a dívida, nesse caso, é de R$ 285 milhões. Segundo o SNEL, as duas redes devem, juntas, R$ 325 milhões para as editoras. Imagine a dificuldade para as editoras, já que as duas redes são responsáveis por 40% das compras de livros, de acordo com o Sindicato.

Finalistas do Prêmio São Paulo de Literatura

Destacado

Anunciados os 20 finalistas da 11ª edição do Prêmio São Paulo de Literatura, promovido pela Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo. Vamos à lista. Prêmio São Paulo de Literatura

*Na categoria Melhor Romance de 2017, concorrem:
– Ana Paula Maia, Assim na Terra como Embaixo da Terra (Record)
– Carol Bensimon, O Clube dos Jardineiros de Fumaça (Cia das Letras)
– Evandro Affonso Ferreira, Nunca Houve Tanto Fim como Agora (Record)
– Heloisa Seixas, Agora e na Hora (Cia das Letras)
– Joca Reiners Terron, Noite Dentro da Noite (Cia das Letras)
– Leonardo Brasiliense, Roupas Sujas (Cia das Letras)
– Marcelo Mirisola, Como se me Fumasse (34)
– Márcia Barbieri, O Enterro do Lobo Branco (Patuá)
– Micheliny Verunschk, O Peso do Coração de um Homem (Patuá)
– Milton Hatoum, A Noite da Espera (Cia das Letras)

*Na categoria Melhor Livro do Ano de Romance – Autor estreante com mais de 40 anos:
– Carlos Eduardo Pereira, Enquanto os Dentes (Todavia)
– Cinthia Kriemler, Todos os Abismos Convidam para um Mergulho (Patuá)
– Cristiano Baldi, Correr com Rinocerontes (Não Editora)
– Cristina Judar, Oito de Sete (Reformatório)
– José Roberto Walker, Neve na Manhã de São Paulo (Cia das Letras)
– Leonor Cione, O Estigma de L. (Quelônio)

*Na categoria Melhor Livro do Ano de Romance – Autor estreante com menos de 40 anos:
– Aline Bei, O Peso do Pássaro Morto (Nós)
– José Almeida Júnior, Última Hora (Record)
– Mauro Paz, Entre Lembrar e Esquecer (Patuá)
– Tiago Feijó, Diário da Casa Arruinada (Penalux)

O júri do Prêmio São Paulo de Literatura é formado por dez nomes ligados ao mundo dos livros e da literatura. O júri final, que vai escolher os três vencedores, terá cinco profissionais. O autor ou a autora escolhido/a na categoria principal (Melhor Romance) leva R$200 mil; nas outras, a gratificação é de R$100 mil em cada uma. Todas as obras finalistas foram publicadas em 2017.

Clube do Livro – Episódio 3: “O Sol na Cabeça”

Destacado

O terceiro episódio do Clube do Livro do Põe na Estante fala sobre a obra de estreia do carioca Geovani Martins, O Sol na Cabeça. Os treze contos que ocupam as 120 páginas editadas pela Companhia das Letras já ganharam tradução em pelo menos oito idiomas. A jornalista Gabriela Forte e o economista Luiz Felipe Fustaino ajudam a pensar os porquês de tamanho sucesso. Corre pra ver!

Clube do Livro – Episódio especial de Copa: “Fechado por Motivo de Futebol”

Em mês de Copa do Mundo, O Põe na Estante entra no clima e fala de literatura, futebol e um bocado de outras coisas. Afinal, o escritor e jornalista uruguaio Eduardo Galeano deixa bem claro que o esporte bretão envolve muito mais do que a bola em jogo. E é ele quem assina os textos de Fechado por Motivo de Futebol, tema dessa edição especial do Clube do Livro.