Noite de Estreia #1

Noite de EstreiaA Companhia das Letras criou um novo modelo de noite de autógrafos. Começou ontem, no Cine Joia, em São Paulo. Quase uma balada literária. A Noite de Estreia #1 lançou Nu, de Botas, do Antonio Prata, e Ligue os Pontos, do Gregorio Duvivier.

O palco da casa noturna virou cenário de programa de entrevistas, a pista virou um auditório e o bar continuou como o bom e velho tirador de sede. A proposta era a seguinte: primeiro, um talk show entre os dois autores; depois, uma festa com discotecagem dos próprios editores da Cia. das Letras. O ingresso para a festa, cinquenta reais, dava direito aos dois livros lançados.

Noite de Estreia 1A escolha dos nomes para participarem juntos do lançamento deu final feliz. Prata e Duvivier pareciam entrosados, provavelmente uma afinidade vinda da ironia que cada um deles, a seu modo, executa tão bem. Funcionou e divertiu.

No fim, teve sessão de autógrafos. Todo mundo com cara de feliz pelas novas aquisições para a estante – ainda mais com a conquista de algo que agrega tanto valor: uma canetada do autor na folha de rosto.

Vamos acompanhar os próximos lançamentos.

Breve Alerta

Promoção Cia. das LetrasUm curto – e urgente! – lembrete aos leitores que estão de olho em algum título novo para a estante: hoje, amanhã e quinta-feira (23, 24 e 25 de abril), a Companhia das Letras terá 300 livros com 50% de desconto. A promoção vale em compras pelos sites ou nas lojas físicas das livrarias. A lista completa dos livros pela metade do preço e das redes que participam está no site da editora.

E uma dica gratuita: o jornal espanhol El País dá um presente a seus leitores. O periódico disponibilizou gratuitamente um e-book, em espanhol, com entrevistas com 37 escritores de língua espanhola que já receberam o Prêmio Cervantes. Latino-americanos como Mario Vargas Llosa, Adolfo Bioy Casares e Alejo Carpentier, e espanhóis como Luis Rosales, José Hierro e Ana María Matute estão nas páginas da publicação.

E fez-se a Claraboia

Claraboia SaramagoUma janela para a vida e para a obra de José Saramago. Claraboia, de 1953, foi o livro que ninguém quis publicar. Sob o pseudônimo de Honorato, o autor tentou uma editora, que rejeitou a obra e, mais tarde, quando Saramago era muito mais do que um sobrenome estampado na capa de um livro, a editora voltou atrás, fez uma proposta. Mas aí já era tarde.Claraboia foi guardado para que fosse publicado apenas após a morte do escritor português.

Logo de cara temos a pista do jogo de dentro e fora que Saramago expõe nessa obra. “Por entre os véus oscilantes que lhe povoavam o sono, Silvestre começou a ouvir rumores de loiça mexida e quase juraria que transluziam claridades pelas malhas largas dos céus”. Quem nos convida a entrar é Silvestre, o sapateiro que mora no térreo de um prédio movimentado. Generoso, Silvestre deixa muitas portas abertas. Ele vive com a esposa, Mariana. “Duas crianças, sem tirar nem pôr.” O casal aluga um quarto para Abel, um andarilho, que conhece “os perigos e as vantagens da liberdade e da solidão.” E quando Silvestre abre a porta para Abel, ele deixa entrar também a poesia – único apego do inquilino apegado à liberdade.

Se nos sonhos de Silvestre a claridade vinha de cima, em Claraboia ela vem de baixo. É o sapateiro, figura de sabedoria simples, que põe luz sobre a narrativa. As histórias de cada um dos moradores daquele pequeno e modesto edifício de Lisboa são guiadas pelo olhar e pelos ouvidos de Silvestre. Pelas portas, janelas e frestas, ele nos encaminha para dentro das casas. Conhecemos a espanhola Carmem, que odeia o marido e disputa com ele o amor do filho; a bela Lídia, que vive sustentada por um amante rico e mais velho – e sustenta a mãe, pela obrigação, com o dinheiro que vem dele; somos apresentados à Adriana e Isaura, duas irmãs que vivem com a mãe e com a tia, duas jovens que apreciam os livros e a música clássica; e tantos outros vizinhos. Não é Silvestre quem conta a história, ele está nas páginas de igual para igual com os outros moradores. Mas é ele, observador, quem inspira o percurso.

Os registros, quase fotográficos, dão pistas sobre a rotina, os valores e o caráter dos personagens. A cada cena, cai uma camada dos indivíduos retratados. A humanidade, marca que durou de Honorato a Saramago, mostra o rosto. Dos instintos de Ensaio sobre a Cegueira à possibilidade de errar e amar de Evangelho Segundo Jesus Cristo, os traços mais humanos que um personagem pode ter estão em Claraboia. A motivação para a vida, a admiração pelo belo, o desejo sexual, o ódio, a culpa, as tradições, a moralidade. O que há de mais Humanidade em cada um de nós.

Ainda embrionárias, estão em Claraboia as primeiras metáforas de Saramago. Talvez por humildade de um jovem autor iniciante, parece que ele prefere deixar na boca dos personagens, nos diálogos explícitos, as lições de vida e as descobertas brilhantes sobre ser humano, que nos livros futuros virão na forma de saborosas subjetividades.

Por enquanto, tudo é escancarado: as pontuações são usadas no extremo, com travessões, exclamações e pontos finais. Tudo de bandeja para o leitor, que sabe quando deve se espantar, questionar ou silenciar. Saramago parece estar conhecendo a língua, os recursos, experimentando o uso de todo e qualquer símbolo gráfico. Mas somente um conhecedor profundo poderia brincar com o idioma e com as regras como ele fez mais pra frente.

É inevitável ler Claraboia buscando entender os primeiros passos de José Saramago, tentando encontrar os primeiros indícios de consagração do único Nobel de Literatura de Língua Portuguesa. E as dicas estão, de fato, nas páginas da obra, mas sutis, delicadas como a proximidade que nós, leitores, conseguimos estabelecer com Honorato, um autor mais humano e menos gênio. É o passado jogando luz sobre o futuro. Quem olha por Claraboia enxerga os primeiros passos do Saramago que se eternizou: o Saramago dos recursos literários sofisticados, dos silêncios de pontuação, das metáforas elaboradas e das doses de ateísmo, de subversão e de humanidade. Uma Claraboia que ilumina o túnel da genialidade.

Certamente, um livro para pôr na estante!

Claraboia, de José Saramago. Cia das Letras, 384 páginas. R$ 46 (na Livraria Cultura) ou R$ 36,80 (na Livraria Saraiva) .