Podcast – A Criança no Tempo, de Ian McEwan

Destacado

Chegamos ao terceiro episódio do Põe na Estante com o terceiro romance do premiado escritor britânico Ian McEwan. A Criança no Tempo tem o escritor de livros infantis Stephen Lewis como protagonista. Ele nunca pensou que uma ida ao supermercado pudesse transformar a vida, mas é o que acontece quando a filha dele, Kate, uma menina de três anos de idade, desaparece completamente. As portas do estabelecimento são fechadas às pressas, uma busca intensa é feita no entorno, mas a garota some completamente. Quando ele dá a notícia à esposa, Julie, o leitor começa a mergulhar na dor e no desamparo daquela família agora com um espaço vazio. Stephen e Julie vão se isolando, ele na tentativa de encontrar a filha a qualquer custo, fazendo as próprias buscas, batendo de porta em porta; ela em uma depressão que a deixa apática, sentada na poltrona da casa, até conseguir reagir. O casamento desenvolve fissuras profundas, os silêncios vão tomando conta e a perda nunca é mencionada para evitar que ela fique concreta demais. A Criança no Tempo foi publicado em 1987 e relançado em 2018 pela Companhia das Letras, por ocasião dos 70 anos do autor. É ele o tema deste episódio, em que eu recebo os jornalistas Thaís Manarini e Renan Sukevicius.

Anúncios

Podcast – A Uruguaia, de Pedro Mairal

Destacado

O segundo episódio do podcast Põe na Estante tem A Uruguaia, livro do argentino Pedro Mairal, como tema. Segundo romance do escritor, esta foi a obra que o fez mais conhecido. Mairal é hoje considerado pela crítica um dos principais nomes do novo boom literário da América Latina.  No livro, o escritor Lucas Pereyra é quem nos conta a história das fantasias que ele alimenta a respeito de uma jovem mulher que conheceu quando atravessou o Rio da Prata para um festival literário. O protagonista precisa cruzar mais uma vez de Buenos Aires para Montevidéu para receber 15 mil dólares de adiantamento pelo trabalho e, em meio a um casamento desgastado e monótono e a um bloqueio criativo, almeja encontrar a moça novamente. O romance dura o tempo da viagem, entre a ida e a volta, mas tem direito a idas e vindas no tempo para que o narrador possa compartilhar com o leitor memórias e contexto. Para conversar sobre A Uruguaia, eu recebo os jornalistas Juliana Kunc Dantas e Pablo Ribeiro. Nesta primeira temporada, o tema é boas-vindas e é sempre um dos convidados quem escolhe o livro da vez.

Podcast – A Vegetariana, de Han Kang

Destacado

Põe na Estante agora tem podcast. A cada quinze dias, convido duas pessoas a lerem o mesmo livro que eu e sentamos para trocar impressões, ideias e questões sobre a obra. Nesta primeira temporada, que terá oito episódios, o tema é “boas-vindas”: como boa anfitriã, sugiro que um dos convidados escolha o livro sobre o qual falaremos, sem restrições. Neste episódio de estreia, os jornalistas Tatiana Vasconcellos e Theo Ruprecht participam de um papo sobre A Vegetariana, da sul-coreana Han Kang. O podcas testá disponível em YouTube, Spotify, Google Podcasts, Anchor, RadioPublic e Breaker.

Podcast

O Põe na Estante agora tem podcast. Estreou hoje e o primeiro episódio fala sobre A Vegetariana, livro da sul-coreana Han Kang. Tatiana Vasconcellos, Theo Ruprecht e eu conversamos sobre as nossas impressões a respeito deste livro um tanto quanto perturbador.

A temporada de estreia do podcast tem como tema “Boas-vindas”, por isso é sempre um convidado quem escolhe o livro da vez. Nos primeiros oito episódios, obras variadas, brasileiras e estrangeiras, de homens e mulheres, clássicos e contemporâneos.

Você ouve no YouTube ou no Spotify. Depois me conta o que achou ;)

 

Top 10 – 2018

Destacado

É sempre difícil selecionar os melhores livros do ano, mas escolhi dez que me marcaram de maneiras diferentes.

– Como as democracias morrem: importante pra entender o ano. Dois professores de Harvard mostram como hoje as democracias são minadas por dentro, sem golpes e tanque nas ruas. A partir do exemplo de países como a Hungria e a Turquia, os autores descrevem como governos eleitos democraticamente podem ser o primeiro passo para fragilizar e até destruir o sistema democrático.

– La Perra: este livro foi a descoberta de uma autora colombiana até então inédita na minha estante, Pilar Quintana. A história acontece na costa da Colômbia no Pacífico – o que é raro; a maioria das obras daquele país que têm o litoral como cenário acontecem na costa Atlântica. Diante da impossibilidade de ter filhos, Damaris quer uma cachorra e não imagina quantas questões humanas um animal pode despertar: a maternidade, o amor e a morte entre elas.

– Canção de Ninar: o livro da franco-marroquina Leïla Slimani, que foi uma das convidadas da Flip 2018, começa com a babá matando as crianças (não é spoiler, é a abertura da obra). No caminho para contar como a história terminou assim, a autora nos faz pensar sobre relações sociais, imigração e sobre ser mulher.

– Tempo de Migrar para o Norte: a obra do sudanês Tayeb Salih é considerada o romance árabe mais importante do século XX. Depois de sete anos estudando em Londres, o protagonista volta à sua pequena aldeia, à beira do Nilo, e ao se deparar com um forasteiro que também passou anos fora e voltou, pensa sobre o passado e o presente do país, com questionamentos sobre os papéis de colonizadores e colonizados.

– As Alegrias da Maternidade: a nigeriana Buchi Emecheta era inédita no Brasil. Na Nigéria do início do século XX, ser mãe (de menino) era o que fazia uma mulher. A protagonista dessa história divide com o leitor a angústia de não conseguir ter um filho homem.

– O Conto da Aia: li com atraso o livro de Margaret Atwood que inspirou a série de mesmo nome. Num futuro distópico, os Estados Unidos são governados por ultraconservadores que baseiam as leis na religião e reservam às mulheres um lugar de servidão e invisibilidade. É um livro brutal.

– Sol na Cabeça: em 13 contos, o carioca Geovani Martins traz a infância e a adolescência de moradores de favelas, a partir da vivência que ele mesmo teve. São narrativas ricas e cheias de ritmo, algumas delas com grande ênfase na oralidade que traz os personagens para mais perto.

– O Pai da Menina Morta: a partir da própria experiência, o autor, que perdeu uma filha pequena, reúne fragmentos de histórias, lembranças e sonhos permeados pelo luto. Um livro de extrema beleza e sensibilidade.

– Não me Abandone Jamais: no fim de sua carreira de cuidadora, Kathy relembra a infância em um colégio interno que esconde deles a verdade sobre a vida dos alunos. O livro começou lento, demorou a me pegar, mas de repente me vi sem conseguir desgrudar da história.

– Da Poesia: uma coletânea de poemas da brasileira Hilda Hilst, que foi a grande homenageada da Flip 2018. Nunca fui uma leitora voraz de poesia, mas esse livro me gerou grande identificação com os versos.

Prêmio IPL – Retratos da Leitura

Destacado

A revista Quatro Cinco Um, a Biblioteca Comunitária Caminhos da Leitura e a Flipoços estão entre os 12 vencedores do 3º Prêmio IPL -Retratos da Leitura, promovido pelo Instituto Pró-Livro. A honraria é dividida em quatro categorias: Bibliotecas, Cadeias Produtivas, Mídia e Organizações Sociais Civis. E tem muita coisa legal sendo feita!

Os interessados se inscreveram na Plataforma Pró-Livro. A primeira etapa selecionou dez finalistas e, na última segunda-feira (10/12), foram conhecidos os três vencedores de cada segmento.

Em Bibliotecas, venceram a Biblioteca Comunitária Caminhos da Leitura, organizada por jovens na periferia de São Paulo e que promove saraus, debates, clubes do livro; Parnamirim, um Rio que Flui para o Mar de Leitura, do Rio Grande do Norte, que também estimula a leitura por meio de atividades culturais diversas; e a Rede Baixada Literária, que promove a leitura com ações organizadas por bibliotecas da Baixada Fluminense. Na categoria Cadeia Produtiva, levaram a Caravana Teatral do Livro em Cena, do Paraná; o Festival Literário de Poços de Caldas, em Minas Gerais; e o Programa Myra – Juntos pela Leitura, de São Paulo. Em Mídia, os ganhadores foram a revista Quatro Cinco Um; o Jornal Joca; e o projeto Vá Ler um Livro. E as Organizações Sociais Civis de destaque foram o Clube de Leitura Quilombo Mirim, de São Paulo; o projeto Leituras na Praça, do Ceará; e o projeto Piracaia na Leitura, de São Paulo.

A Biblioteca Villa-Lobos e o Projeto Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas para Todos, ambos de São Paulo, receberam uma menção honrosa.

Carta de amor aos livros

Destacado

Ainda repercute o apelo feito pelo editor da Companhia das Letras, Luis Schwarcz, para que as pessoas divulguem livros, falem sobre livros e deem livros de presente. Enquanto muita gente embarcou na campanha, com hashtag e tudo (#dêlivrosdepresente e variações), também teve gente que aproveitou o gancho para criticar a postura das grandes editoras.

IMG_5712Na entrevista que deu à Folha de S.Paulo, o presidente do grupo editorial disse terem sido poucas as mensagens contrárias à carta, mas admite ter recebido críticas – por não prestigiar livrarias pequenas, por ter sido generoso demais no texto com as redes de livrarias e pela ganância das grandes editoras.

De qualquer forma, o texto levanta questões importantes, como os desafios que editoras e livrarias têm pela frente para se manterem vivas. Nós, como leitores, podemos contribuir com ideias, com reflexões e, claro, com leituras. Sigamos!

Aliás, o que você está lendo?

=====

Para quem perdeu, reproduzo abaixo, na íntegra, a carta do editor:

Cartas de amor aos livros

O livro no Brasil vive seus dias mais difíceis. Nas últimas semanas, as duas principais cadeias de lojas do país entraram em recuperação judicial, deixando um passivo enorme de pagamentos em suspenso. Mesmo com medidas sérias de gestão, elas podem ter dificuldades consideráveis de solução a médio prazo. O efeito cascata dessa crise é ainda incalculável, mas já assustador. O que acontece por aqui vai na maré contrária do mundo. Ninguém mais precisa salvar os livros de seu apocalipse, como se pensava em passado recente. O livro é a única mídia que resistiu globalmente a um processo de disrupção grave. Mas no Brasil de hoje a história é outra. Muitas cidades brasileiras ficarão sem livrarias e as editoras terão dificuldades de escoar seus livros e de fazer frente a um significativo prejuízo acumulado.

As editoras já vêm diminuindo o número de livros lançados, deixando autores de venda mais lenta fora de seus planos imediatos, demitindo funcionários em todas as áreas. Com a recuperação judicial da Cultura e da Saraiva, dezenas de lojas foram fechadas, centenas de livreiros foram despedidos, e as editoras ficaram sem 40% ou mais dos seus recebimentos— gerando um rombo que oferece riscos graves para o mercado editorial no Brasil.

Na Companhia das Letras sentimos tudo isto na pele, já que as maiores editoras são, naturalmente, as grandes credoras das livrarias, e, nesse sentido, foram muito prejudicadas financeiramente. Mas temos como superar a crise: os sócios dessas editoras têm capacidade financeira pessoal de investir em suas empresas, e muitos de nós não só queremos salvar nossos empreendimentos como somos também idealistas e, mais que tudo, guardamos profundo senso de proteção para com nossos autores e leitores.

Passei por um dos piores momentos da minha vida pessoal e profissional quando, pela primeira vez em 32 anos, tive que demitir seis funcionários que faziam parte da Companhia há tempos e contribuíam com sua energia para o que construímos no nosso dia a dia. A editora que sempre foi capaz de entender as pessoas em sua diversidade, olhar para o melhor em cada um e apostar mais no sentimento de harmonia comum que na mensuração da produtividade individual, teve que medir de maneira diversa seus custos, ou simplesmente cortar despesas. Numa reunião para prestar esclarecimentos sobre aquele triste e inédito acontecimento, uma funcionária me perguntou se as demissões se limitariam àquelas seis. Com sinceridade e a voz embargada, disse que não tinha como garantir.

Sem querer julgar publicamente erros de terceiros, mas disposto a uma honesta autocrítica da categoria em geral, escrevo mais esta carta aberta para pedir que todos nós, editores, livreiros e autores, procuremos soluções criativas e idealistas neste momento. As redes de solidariedade que se formaram, de lado a lado, durante a campanha eleitoral talvez sejam um bom exemplo do que se pode fazer pelo livro hoje. Cartas, zaps, e-mails, posts nas mídias sociais e vídeos, feitos de coração aberto, nos quais a sinceridade prevaleça, buscando apoiar os parceiros do livro, com especial atenção a seus protagonistas mais frágeis, são mais que bem-vindos: são necessários. O que precisamos agora, entre outras coisas, é de cartas de amor aos livros.

Aos que, como eu, têm no afeto aos livros sua razão de viver, peço que espalhem mensagens; que espalhem o desejo de comprar livros neste final de ano, livros dos seus autores preferidos, de novos escritores que queiram descobrir, livros comprados em livrarias que sobrevivem heroicamente à crise, cumprindo com seus compromissos, e também nas livrarias que estão em dificuldades, mas que precisam de nossa ajuda para se reerguer. Divulguem livros com especialíssima atenção ao editor pequeno que precisa da venda imediata para continuar existindo, pensem no editor humanista que defende a diversidade, não só entre raças, gêneros, credos e ideais, mas também a diversidade entre os livros de ambição comercial discreta e os de ambição de venda mais ampla. Todos os tipos de livro precisam sobreviver. Pensem em como será nossa vida sem os livros minoritários, não só no número de exemplares, mas nas causas que defendem, tão importantes quanto os de larga divulgação. Pensem nos editores que, com poucos recursos, continuam neste ramo que exige tanto de nós e que podem não estar conosco em breve. Cada editora e livraria que fechar suas portas fechará múltiplas outras em nossa vida intelectual e afetiva.

Presentear com livros hoje representa não só a valorização de um instrumento fundamental da sociedade para lutar por um mundo mais justo como a sobrevivência de um pequeno editor ou o emprego de um bom funcionário em uma editora de porte maior; representa uma grande ajuda à continuidade de muitas livrarias e um pequeno ato de amor a quem tanto nos deu, desde cedo: o livro.